Os Efeitos do Amor

Os Efeitos do Amor

Olá galera, como estão de quarentena? Bom, minimamente enlouquecendo de ficar tanto tempo enclausurado dentro de casa com sua família, né? Mas calma, em breve, todo esse esforço será recompensado. 

Bom, como um bom amigo, hoje eu quero indicar um filme para você, leitor, assistir enquanto permanece devidamente isolado em seu lar. 

Na verdade, acredito que muitos já viram esse filme, porém pode ser que tenha esquecido uma ou outra parte, além disso, não posso esquecer que há pessoas nova no clube que ainda não tiveram a oportunidade de conferir os grandes “clássicos do BL”, aqueles de 2014, 15 e 16. 

Mas calma, que tal aproveitar esse período de confinamento social para colocar toda essa lista em dia? É uma boa pedida, não acham? 

Enfim, chega de enrolação. Hoje a gente vai conversar sobre um filme BL tailandês chamado “Red Wine in the Dark Night”. 

Esse filme foi lançando em 2015 e foi dirigido por Tanwarin Sukkhapisit, a primeira cineatra trans da Tailândia. Red Wine é um filme de fantasia que aborda a temática fantástica e misteriosa ao tecer a história de amor entre Wine e Night. Abaixo está a sinopse do filme:

Wine é um adolescente do Ensino Médio conhecido por sua inocência, altruísmo e paixão. Seu namorado, Tee, o descarta depois que se cansa dele, deixando-o arrasado. Para piorar, Wine ainda sofre com as piadas e o escárnio dos amigos de Tee. Ferido e desamparado, ele acidentalmente encontra com Night, um moribundo e misterioso rapaz de olhos vermelhos que aparenta sofrer de amnésia e tem um estranho gosto por sangue. A paixão arrebatadora os une, mas logo Wine vai descobrir que o desejo e o amor, por mais fortes e sinceros que sejam, não o isentam de atitudes éticas e morais questionáveis. Na verdade, o amor pode lançá-lo na mais espessa escuridão.

Como disse antes, é um filme cheio de mistérios, mas que se sustenta por meio de um romance entre dois jovens garotos que se encontram por acaso.

É uma obra curiosa, mas que dialoga com  pessoas de baixa auto-estima e carentes. A saber, Wine (interpretado por Fluke Pongsatorn) nutre um amor imenso por Tee (interpretado por Nontapat), um colega de escola que sempre aceitou a companhia do menino e, em uma das conversas, no final do filme, afirma que percebia que Wine sempre sentia algo a mais por ele, porém Tee não queria aceitar que o sentimento era recíproco. 

Ainda sobre Wine, quando Tee dá um fora nele após uma transa, isso na primeira cena do filme, a gente percebe nitidamente que está em frente a um caso em que um dos garotos não aceita estar gostando do parceiro e como consequência não tem coragem para assumir um eventual relacionamento para as outras pessoas (principalmente amigos) por receio talvez de ser mal recebido ou não aceito, no entanto, sob quatro paredes, nada o impede de ter alguma relação com o seu “amigo”. 

A grande questão é daquele que se submete a esse tipo de relação, neste caso, Wine. O que me faz retornar ao fato de que pessoas carentes e “perdidamente apaixonadas” aceitem uma relação deste nível. 

A cereja do bolo para a humilhação de Wine é quando os amigos de Tee mentem para o menino que o seu amado está esperando por ele no último andar de um prédio abandonado da cidade, onde lá já ocorreram casos de suicídio. 

Wine acredita, pois está loucamente apaixonado, porém percebe, ao anoitecer, que foi enganado e chora

Ver o Fluke chorar dá vontade de chorar junto.

Mas quem acredita em “destino”, a grande hora chegou. No momento que Wine desce as escadas do prédio para ir embora, ele ouve um pedido de socorro. Assustado e triste, pensa estar ouvindo vozes, fantasmas. Quem nunca?

Acontece que a voz continua, ele então vai verificar quem está o chamando. E com um susto, Wine encontra Nam (interpretado por Steven Führer), um menino diferente. Nam é o verdadeiro nome de Night (“Night” é o apelido dado por Wine). 

“Por que você está sugando o meu sangue? / “Isso faz eu me sentir melhor” / “Posso sugar mais um pouco?”

Chocado, Wine vai atrás de comida, porque o garoto está fraco e por isso não consegue andar, mas parece que seu esforço foi todo em vão, ele devolve todas as tentativas (bebidas e comidas), até que Wine tropeça nos entulhos e corta seu joelho.

O cheiro chama a atenção de Night que rapidamente vai em direção ao ferimento e começa a … sugar.

Calma, não vai embora, tem mais coisa.

Nesse momento, a gente percebe do que se trata o filme e como o título chega a ser sugestivo. 

Então, a partir desse encontro inesperado, uma paixão também inusitada aparece. Será possível um humano se apaixonar por um “vampiro sem presas”? 

Mas dentro de toda essa confusão, há também um personagem também carente e perdidamente apaixonado , P’Boy (interpretado por Kistachapon Thananara). 

Boy é um personagem triste. Ele funciona como um instrumento para Wine. Na verdade, é confuso, porque Wine numa passagem diz que sempre pediu para que ele encontrasse alguém que o amasse na mesma intensidade que ele ama as pessoas, mas mesmo Boy sempre se mostrando loucamente caído por Wine, este nunca o amou. 

Boy funciona como um meio para Wine conseguir um lar para Night. Mas que no fim… Confirma a tese de ele foi uma ferramenta muito bem manipulada por Wine. 

O interessante é que a moeda de troca aqui é o sexo. Aliás, uma característica do filme é a quantidade de cenas com teor sexual intenso (mas não explícito). 

A parte ficcional merece destaque. A meu ver, Red Wine in the Dark Night funciona como uma adaptação do “Drácula” ou séries que têm vampiros em seu enredo. Aqui, no entanto, há um enfoque para a máxima “há limites para o amor?”

Existe uma linha que não pode ser ultrapassada dentro de um relacionamento? Eis a questão. 

Night somente é capaz de digerir sangue, a gente não sabe muito bem o por quê. É um mistério, mas ao perceber isso, Wine não pensa duas vezes em conseguir o alimento para seu amado, já que o mesmo prometeu não sair nunca mais de seu lado (e é tudo o que Wine quer ouvir). 

Uma das cenas mais memoráveis do filme é a cena do lixo. Irônico ou não, quando os meninos estão no meio do espaço reservado para o despejo de lixo, Night diz que se você tem fé em algo, milagres realmente podem acontecer! 

Por isso que conseguimos escutar o som daquele violão sem cordas, a fé move montanhas e produz som! 

Ainda que o desenvolvimento da trama tenha sido relativamente bom e o filme “feliz”, há lacunas para serem preenchidas e muitas delas sobre o passado de Nam/Night e o que acontece depois que Wine é incriminado. 

Mesmo assim é um filme que recomendo, como disse antes, é um clássico BL, você precisa conferir! 

Essa obra foi uma das primeiras que tive acesso, isso lá em 2018, quando iniciei a minha vida de dorameiro. E confesso que o meu primeiro contato com o projeto foi bastante interessante, estranhei vários aspectos e fiquei até um pouco assustado pelas cenas não só de sexo, mas também pelo fato de Wine chegar a matar pessoas para fornecer sangue a Night. As provas de amor desse casal são realmente fatais.

E como o final foi “feliz”, dei meu joinha e dormi bem aquela noite. Espero que você ache (tenha achado o mesmo). 

Mas, leitor, meu intuito na verdade não foi o filme, mas sim um ator em específico, o Steven! Aquele que interpreta o vampirão.

Recentemente, o ator que hoje possui 27 anos, postou em sua conta do Instagram um texto bastante comovente sobre sua atual situação. Atualmente Steven está desempregado e menciona que a carreira de ator não tem oferecido tantas oportunidades, além disso, Führer cita golpes que tomou não muito tempo atrás de uma revista a qual prestou serviço, mas não recebeu nenhuma remuneração por isso. 

Ele conta com palavras pesadas, que passou por momentos muito difíceis em sua vida e está prestes a desistir desse ramo, ademais, disse que está com pensamentos relacionados à morte e pede desculpas para seus fãs por estar desabafando dessa maneira na internet.

Quero então pedir a ajuda de vocês para dar apoio a ele. Como? Comentando e subindo as tags:

#WeStandWithSteven

#RedWineInTheDarkNight

#SupportThaiActors

Onde? Na própria publicação dele. Não tem problema se você não souber falar em inglês, pode ser em português, só colocar a bandeira do Brasil pra ficar mais fácil pra ele identificar o país/idioma.

O objetivo é tentar confortar ele num momento tão difícil como esse. Não queremos que ele fique triste nem que faça alguma besteira, como fãs, é o que podemos fazer no mínimo para ajuda aqueles que nos fazem felizes, certo? 

Pensei também em levantar a TAG no Twitter e Facebook, mas a princípio, no Instagram para ele ver que a gente está com ele! 

Quem sabe algum diretor veja e se interesse no trabalho dele? Não custa tentar, né? 

Gente, muito obrigado pela atenção, conto com vocês, okay? Beijinhos e tchau!

Compartilhar esta publicação

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x
Optimized with PageSpeed Ninja