HOLDING THE MAN

HOLDING THE MAN

Vamos mergulhar em uma  história de amor passada entre os anos 1976 à 1994, com o casal de jovens gays, Tim e John. Um drama de  amor australiano contado em uma época difícil, marcado por uma doença terrível, o HIV. 

Na Austrália em uma cidade do interior do país, em um ambiente social comum se inicia um lindo amor. Aos olhos de quem ama não há uma restrição, mas para a sociedade da época, que em parte continua a mesma, aquele tipo de amor era doentio. Dois jovens garotos no começo de suas descobertas juvenis se apaixonam no ensino médio. Descobrindo as emoções, os desejos e os sentimentos, se aproximam pouco a pouco. Tim, é extrovertido, brincalhão e bem humorado. John, um pouco diferente, alegre e animado só quê, um pouco mais reservado. Mesmo diferentes, seus corações bateram na direção um do outro e como flecha do cupido, a solidariedade vinda de Tim, que correu para ajudar John que se machucou em um jogo de futebol, foi motivo de aproximação.  John gosta de praticar esportes e correr, já Tim, gostar da leitura, escrita e de encenar nas peças teatrais.

O amor de John e Tim desabrocha pouco a pouco, o loiro de olhos azuis, é mais apressado quanto ao que quer, mas o moreno de cabelos negros, prefere ir devagar, saboreando cada momento. O romance começa a ficar mais visível aos olhos dos outros e com isso os problemas começam a surgir. Suas famílias são muito influenciadas pela sociedade e pela religiosidade, que condena veemente o amor sem gênero, porém, nesta história, tanto os líderes sociais como religiosos se mostraram mais abertos ao relacionamento dos meninos, que algumas vezes não reagiram com o rigor dos padrões da sociedade e nem da religião.

Há momentos que o desejo fala mais alto que a razão e leva corpos sedentos  a explorar seus instintos. Dois corpos e dois corações, batendo forte gritando por amor, por prazer, assim decorria na vida do casal Tim e John. Muitas situações constrangedoras os colocaram em apuros por se deixarem levar pelo desejo, morando em um cidade pequena, isso começou a refletir em suas famílias que passaram a ser questionadas devido eles não seguirem as imposições dos padrões sociais.

Enquanto o casal estava se doando ao prazer e libertando o que sentiam, suas famílias temiam por suas liberdades. A homossexualidade era, e ainda é, muito discriminada, o preconceito de muitos seres humanos, levam outros a viver verdadeiros martírios. Os pais  sofrem por não poder dar as mãos aos filhos e dizer que eles podem amar livremente quem o coração deseja e mais, temem o que pode acontecer a eles por ter um amor diferente, por amar alguém do mesmo sexo. Em algumas famílias, realmente o preconceito é verdadeiro, mas em alguns casos por, medo de que os filhos sofram, pais tentam fazer com que os filhos acreditem estarem errados, quando de fato só precisam aprender a compreendê-los.

Em Holding The Man, os familiares do casal tiveram seus momentos de reflexão quanto a sexualidade de seus filhos e mostraram uma reação positiva, ainda que sob olhares e comentários maldosos, eles deram as mãos e seguiram vivendo um dia de cada vez, buscando melhorar seus conhecimentos mesmo tendo muitas divergências pelo caminho. Alguns momentos foram turbulentos e a ignorância falou mais alto, principalmente na família de John. Seus pais ficaram chocados e revoltados de início, de forma que o filho saiu de casa, mas notaram que distanciá-los só os deixariam bem mais  machucados.

Tim vivia um pouco mais livre, mas mesmo seus pais sendo compreensivos, pensaram que a sexualidade do filho poderia ser apenas calor do momento, desejos passageiros das imprudências da juventude.Todavia, perceberam que o momento que seu filho estava vivendo refletia a intensidade dos sentimentos que carregava dentro dele há tempos e não demonstrava, para não se machucar e não machucar outros a seu redor.

Após conflitos familiares, o namoro dos dois continuou, anos se passaram e os rumores e críticas preconceituosas continuaram, contudo, seguiram adiante. Fim do colegial chegou, gritos de liberdade foram alçados, conseguiram alcançar um pouquinho de liberdade para viverem seu amor, não tanto quanto queriam todavia, mas já era um começo.  Os obstáculos familiares eram menores, e com isso conseguiram uma trégua na sociedade pelo menos por aparência. Novos horizonte, novos planos, novos sonhos,  presente e futuro estavam a frente, então foram morar juntos. 

Em meio a tantos caminhos abertos para o futuro do casal, após um tempo sobre o mesmo teto, optaram por seguir rotas diferentes, após terminar o grau de escolaridade, chegou a hora de procurar rumos profissionais. Esse foi mais um teste para o amor dos dois, encarar parte do futuro separado. Um queria estudar teatro em outra cidade e outro pensava em se estabelecer administrando os negócios da família.

A distância agora é o maior obstáculo para o amor, com ela vem o medo, a insegurança, ciúmes e outras tentações. Longe um do outro, tiveram que se readaptar a novos ambientes, novos aprendizados e a responsabilidade no coração de sustentar o amor intacto.

Um pouco antes de mudar de cidade, Tim havia discutido com seu parceiro, queria explorar seus desejos sexuais com outras pessoas, deixando seu amado triste. John não concordava com isso, mesmo assim, assistiu seu namorado partir em busca do que almejava, enquanto tocou a vida trabalhando com ajuda de seu pai, se estabelecendo financeiramente e continuando a espera de seu homem. 

Longe do namorado, Tim aproveitava para gozar de uma liberdade sem satisfação, outros ares e outras companhias, decidiu explorar mais seus desejos por sexo, drogas, bebidas e muita diversão. A imprudência o possuiu e ele parou no tempo, achava que podia viver o agora da maneira que dava sem pensar nas consequências. Se divertia o quanto podia, negligenciando o que de fato era importante, seus estudos, sua carreira e seu parceiro que havia ficado para trás a sua espera, com quem começou a luta para quebrar os tabus de preconceito, alguém que o apoiou quando quis correr em busca de suas realizações profissionais. Todavia, não estava dando valor a esse apoio e mais, nem sequer conseguiu melhorar a si mesmo. John, para diminuir a saudade, viajou as milhas distantes para visitar seu amor e ao vê lo, notou que seus sentimentos ainda estavam confusos, enquanto os dele só aumentaram, se fazendo notório apenas em olhar para Tim.

Um tempo se passou e Tim está de volta ao lugar de onde partiu, trouxe uma bagagem ainda maior de  incertezas. Seu retorno é motivo de alegria para todos, o que não sabem é que ele trouxe um presente jamais desejado e terrível, fruto de suas  experiências enquanto esteve fora. Seu corpo, que John tanto desejava e sentia saudades, carregava a morte e, nem mesmo Tim sabia, contraiu o vírus HIV enquanto aproveita a vida longe e John, sedento por amor o aceitou de volta, começaram a fazer novos planos imaginando que poderiam dar continuidade no amor de onde parou.

Os momentos felizes voltaram, o vigor e o desejo de dois corpos unidos novamente, mas a felicidade mais uma vez levou um grande bac, uma bomba explodiu em suas vidas depois de um incidente que os levou ao hospital, foram diagnosticados soropositivo. Uma pancada nos dois e em suas famílias, as aventuras de Tim por novas sensações no passado, tiveram um preço e o valor foi muito alto e não pagou sozinho, John assumiu metade não por vontade própria, teve um grande pesar e se decepcionou com seu companheiro, que enquanto esteve fora não o respeitou e ele inocente, o recebeu mais uma vez transbordando de amor.

O casal passou a viver de forma martirizante, além da batalha da homosexualidade, havia a angustia de carregar um vírus mortal no corpo. Desde o surgimento da AIDS muitos têm sido os esforços para descobrir uma cura, que até os tempo de hoje ainda não tiveram êxito em achar, apesar dos grandes avanços com medicamentos que prolongam a vida em tratamento. Na década de 90 a medicina já tinha grande avanços tratando os infectados, mas dependendo da gravidade os métodos eram muito dolorosos. A doença começou a se manifestar no casal e com isso, começaram uma nova jornada e dessa vez, bem mais dolorosa.

John, com maior vulnerabilidade, apresentou sintomas mais graves e a doença foi devastando seu corpo pouco a pouco, o deixando cada dia mais debilitado. Sua vida se resumiu a visitas frequente ao hospital e Tim esteve sempre ao seu lado. Por amor? Ou talvez por culpa? Em um momento de reflexão bateu o desespero, seu passado imprudente devastou a vida de muitos e do homem que ele dizia amar, desta vez, o maior problema não era brigar com o mundo por serem gays.

Em Tim, os sintomas afetam regiões do corpo diferentes das de John. Quando estão no tratamento hospitalar, ainda que a dor seja horrenda, John a suporta com um sorriso no rosto, mesmo tomado em desespero por dentro. Lutava por mais tempo com seu amado, queria dar a ele, mesmo em um estado difícil, todo seu amor, que desde a primeira troca de olhares nunca mudou, só se multiplicou mesmo no tempo em que estiveram separados. Ao lado de Tim agora aproveitava cada segundo e também se preocupava. Mesmo Tim não estando tão defasado fisicamente, emocionalmente estava muito abalado, embora disfarce bem.

Dois corações em desespero clamando e lutando por mais tempo de vida, um porque queria amar mais e dar tudo o que ainda podia, o outro por se sentir culpado de plantar a morte dentro do cara que ama. A família teve um papel muito importante na vida dos dois, todas as divergências do passado ficaram de lado quando o assunto era cuidar dos filhos, estiveram ao lado deles a todo momento. Em meio a tanta angústia houve muitos momentos felizes e de prazer. Seguiram lado a lado até o último momento, pois John, após batalhar muito por mais tempo de vida, enfim descansou, se despediu da existência física de uma forma tocante.

 Depois de dar adeus a John, Tim ainda viveu alguns anos, concluindo um projeto que tinha na escrita de um livro, cujo o título é o mesmo do filme: “HOLDING THE MAN”. Seu amado desejava vê-lo concluir, mas não pode, mesmo não estando mais nessa vida com ele, queria que a finalizasse e, pouco antes de morrer, John deu a Tim de presente de aniversário, um objeto eletrônico com iluminação, que facilita a escrita e a proximidade do papel ao rosto e tinha caneta acorrentada a lateral, pois sabia que o vírus afetava a cérebro e a visão de seu parceiro, dificultando a visibilidade e a recordação do local onde deixado os objetos. Após concluir seu projeto como escritor, Tim se despediu, assim como John, muito jovem, com apenas 34 anos, dez dia depois de finalizar o livro.

Bem meus amores, espero que tenham gostado, vem muito mais por ai, fiquem conosco! Beijos e nos sigam nas redes sociais.

Compartilhar esta publicação

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x
Optimized with PageSpeed Ninja