ENTENDA UM POUCO SOBRE O TOC – TRANSTORNO COMPULSIVO OBSESSIVO

ENTENDA UM POUCO SOBRE O TOC – TRANSTORNO COMPULSIVO OBSESSIVO

Tudo bom meus Bombons de chocolate????

Hoje quero abordar um assunto mais complexo como vocês. Hoje falaremos sobre TOC –  Transtorno obsessivo-compulsivo, uma doença cheia de preconceitos, desrespeitos, confusões, que precisam ser tirado a limpo em prol de quem está passando por isso!

Vamos esclarecer o básico, há uma grande diferença entre mania e TOC!

Geralmente quando alguém se incomoda com um quadro torto, ou com uma coisinha fora do lugar, ou até com a casa bagunçada, muitos já consideram como TOC, porém esse transtorno é muito maior do que um incômodo. O TOC faz parte dos diversos transtornos que estão em torno de nossa sociedade, ou seja, tem total relação e causam no paciente crises de ansiedade e demais sintomas que muitos já conhecem, por ser tratar de uma doença Neurobiológica, ou seja, acontece no interior cerebral, é necessário um tratamento completo e ajuda médica, pois se não tratado como se deve, com o tempo, vai agravando o quadro e se tornando nocivo à integridade do indivíduo.

Este transtorno normalmente é ligado a pensamentos intrusivos, ou seja pensamentos que vem a nossa mente sem nenhum aviso prévio e sem nosso controle, causando sentimentos que nos afetam mentalmente e psicologicamente, sendo eles: Angústia, Ansiedade, Raiva, e principalmente, o Medo.

A partir do momento que o paciente começa a ter sentimentos assim, devido a pensamentos ilógicos ou até lógicos sobre algo à sua volta, já podemos entender que há um quadro possível de TOC. Mas como saber se realmente é TOC? O ideal é que sempre se deve ter um diagnóstico médico para confirmar a existência deste quadro, podendo consultar especialidades como neurologistas, psiquiatras, psicólogos e outras especialidades envolventes. 

Quais as “paranóias”, ou pensamentos intrusivos um paciente pode ter? Isso é um leque bem aberto e variante, há casos como o medo da morte, medo de contágio, medo de matar alguém, angústia por se sentir inferior ou fracassado, raiva por ter contato social e assim vai. Geralmente, são ligados a coisas que podem ocorrer e assim há uma preocupação por parte do paciente.

Vou dar um exemplo para vocês entenderem: Vitória tem 19 anos, e ela morre de medo de morrer ou matar alguém de sua família. Há dias, que quando anda na rua tranquilamente, um pensamento a aborda: “E se eu for atropelada agora e morrer?”, isso causa medo e angústia nela e a faz ter medo de atravessar ruas ou até querer parar de sair de casa, assim, ela tem crises de ansiedade de repente por não aguentar esses pensamentos. Uma outra coisa que Vitória sofre é o medo de matar alguém, e muitas vezes assim, ela tem o pensamento que poderia contaminar sua avó com algum vírus que venha a carregar da rua, causando um pânico nela, (aí vem nosso próximo tópico) isso a faz usar álcool gel e usar máscaras dentro de casa, além de descontar utensílios que nem sequer saíram da casa, tudo para evitar a morte de um parente.

Essa questão de mania ou compulsão são as que mais causam confusão e preconceito, em casos de TOC, o paciente começa a ter ações que delimitam uma sensação temporária de tranquilidade acerca do pensamento que tinha. Explicando melhor, ao fazer uma determinada ação, ele entende que está provendo o pensamento ruim que teve e assim elimina a sensação ruim que o rodeia. Porém esse sensação é temporária, e se torna viciante, ou seja, fazer mil vezes a ações em um curto espaço de tempo, ou até muitas vezes ao dia, ou quem sabe nem parar de fazer. Um exemplo disso é o hábito de Vitória em passar álcool em gel na mãos várias vezes, ela quer eliminar de todas as formas o pensamento de “contaminar e matar alguém da família” e assim vê necessidade de fazer outra limpeza, mesmo que desnecessária, para acabar com a sensação de medo.

Ou seja, não é uma bobeira ou mania tosca fazer a mesma ação, pois isso no caso é um envolto de crise de ansiedade, desespero e geralmente medo que fazem pacientes com TOC cometer isso. Ou seja, sempre devemos respeitar, mesmo que estranhamos ou não concordemos com a atitude, e principalmente se preocupar sobre.

Mas por que o TOC é tão grave? Ao mesmo tempo que o paciente faz ações equivocadas e tem essas sensações repentinamente é notório que isso atrapalha a vida cotidiana do paciente e/ou pode estar fazendo mal para ele ou para outras pessoas. Como é uma doença gradual, pode gerar também muito estresse e causando danos físicos no paciente, e quem sabe até chegar a um quadro irreversível. É ESSENCIAL A BUSCA DE AJUDA NÃO SÓ PELO PACIENTE QUE ESTÁ PASSANDO POR ISSO, MAS OS PRÓXIMOS QUE VÊM ESSA SITUAÇÃO!

Tudo que nos atrapalha na vida é sinônimo de preocupação e se isso ainda pode vir junto com algum outro problema, é mais importante ainda tratar.

Os tratamentos não são pré prontos, cada caso é um caso, ou seja, é necessário um acompanhamento profissional.

(Neste Vídeo podemos entender melhor como um paciente com TOC vive seu dia a dia – Legendado)

Então relembrando:

Manias de limpeza e arrumação nem sempre são TOCs, apenas coisas que realmente incomodam alguém;

Respeite que tem o transtorno( e até quem não tem), pois é necessário muita paciência e entender que isso está além do controle do indivíduo;

Nunca julgue algo como bobo, a mente humana é complexa demais para se entender facilmente;

Nem todo medo ou angústia são exatamente TOC, mas por se tratarem de sentimentos que fazem mal e podem nos causar danos, é essencial que sejam estudados a fundo, principalmente se vêm com frequência e sem explicação aparente.

Há outros exemplos de compulsões, como: Checagem continua de portas trancadas, medo de contato com pessoas, pensamentos  relativamente hipocondríacos e coisas assim.

Vou deixar aqui o trailer do filme,TOC – Transtornada Obsessiva Compulsiva de Tatá Werneck, em que a concepção do filme é tratar sobre este transtorno de forma engraçada e mais ampla, pelo menos, dá para rir um pouco da situação da personagem haha.

Explicando aqui que escolhi esse tema pois como disse anteriormente, o TOC é uma ansiedade que vem acompanhada de extras e que pode causar, em quadros mais graves e de longa de duração, traumas psicológicos..

SE VOCÊ SENTE ALGUNS DESSES SINTOMAS, OU SENTE COISAS DO GÊNERO, NÃO SE DIAGNOSTIQUE, BUSQUE UMA ORIENTAÇÃO MÉDICA E EFETUE O TRATAMENTO, PARA O SEU BEM ESTAR E DE SEUS PRÓXIMOS!

(Lembrando que esta matéria é baseada em pesquisas médicas, mas que uma orientação especializada sempre é melhor – Baseado no vídeo da Dra: Maria Fernanda Caliani – Psiquiatra)

Não esqueçam de comentar sobre a matéria, tanto com sugestão, crítica e  elogio 🙂

E se tiverem mais ideias de matérias como essas, basta falar.

Se cuidem meus bombons, e até a próxima!

 Annakim

Compartilhar esta publicação

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x
Optimized with PageSpeed Ninja